Neurofibromatosis Tipo 2 Neurinoma do Acústico Histórias Verídicas Principais Centros Artigos Médicos ABI Links Home

 

 



COMO A NF2 AFETA O SISTEMA DE EQUILÍBRIO

 

 

 

 

Como funciona o sistema do equilíbrio ?

Há três sistemas que nos ajudam a manter o nosso equilíbrio:

O Sistema Vestibular :Estes são os órgãos de equilíbrio no ouvido interno .Consistem de três canais semi circulares que estão repletos de fluido. À medida que nos movimentamos o fluido também se move e as mensagens são enviadas ao cérebro descrevendo nossa nova posição  Temos um órgão de equilíbrio em cada ouvido.

A maioria dos portadores de NF2 têm Schwannomas Vestibulares bilaterais (Neurinoma do Acústico bilateral).

Devido à posição do Schwannoma ao crescer ele começa a comprimir os órgãos do equilíbrio gradualmente reduzindo a  função do sistema vestibular.

O Sistema de Entrada Visual:  Nós recebemos muita informação sobre o que nos rodeia a partir do que vemos. Se nós estamos nos movendo muito rapidamente, focalizar então num dado ponto pode nos impedir de sentir tontura.

As informações emitidas por este sistema serão menos eficazes caso a pessoa tenha uma fraca visão.

O Sistema Proprioceptivo: Receptores nos pés e nas juntas e também no pescoço nos fornecem informações sobre como o corpo está se movendo e se estamos em chão firme.

Formigamento ou insensibilidade nas pernas, que são normalmente sentidos por portadores de NF2 pode prejudicar as mensagens enviadas ao cérebro por este sistema.

Que tipo de problemas de equilíbrio um portador de NF2 pode sentir ?

 

Problemas relacionados ao Sistema Vestibular

Sentimento de falta de firmeza geralmente devido à falta de informação dos órgãos de equilíbrio.

Dificuldade de andar em linha reta ou pendendo para um lado. Isto é mais aparente se um dos órgãos do equilíbrio estiver mais afetado do que o outro.

Dificuldade em manter o equilíbrio se estiver escuro. Isto acontece se os órgãos do equilíbrio não trabalharem muito bem, então se depende mais da entrada visual que fica  dificultada pela escuridão.

Pode-se sentir tontura devido a mudanças de posição, movimentos de cabeças ou viradas bruscas. Isto é devido à falta de informações dos órgãos do equilíbrio.

Problemas Relacionados ao Sistema de Entrada Visual

Estímulos visuais confusos, tais como carpetes de padrão muito forte ou coisas que se movem rapidamente na televisão podem provocar tontura ou uma sensação de movimento.  Isto se deve à falta de informação visual precisa.

Problemas relacionados Sistema Proprioceptivo

Pode-se ter uma sensação de não estar em terra firme

Pode –se sentir como se o chão estivesse se movendo

Pode-se sentir sem equilíbrio em geral e tender a tropeçar ou cair. Isto se deve à  informação incompleta ou incorreta dos receptores.

O que se pode fazer para amenizar estes problemas de equilíbrio ?

Equilíbrio é um processo de aprendizado, uma criança leva aproximadamente um ano para aprender a andar, mesmo que todos os três sistemas estejam funcionando normalmente.  Se um dos nossos sistemas de equilíbrio não estiver funcionando muito bem então o corpo é muito hábil na sua compensação, entretanto nós temos que re-aprender o processo de equilíbrio, exatamente como uma criança o faz.

É muito importante permanecer tão ativo quanto possível, pois a menos que estejamos usando o nosso sistema de equilíbrio o cérebro não poderá re-aprender pois o sistema de equilíbrio mudou ou ficou prejudicado.

Tentar não evitar fazer coisas que nos façam ficar tonto ou sem equilíbrio, pois continuando a fazer estas coisas o processo de compensação ocorrerá mais rapidamente.

Se possível, evitar o uso de andadores ou de  apoio pois o cérebro re-aprenderá a se equilibrar usando-os e você não será capaz de se equilibrar sem eles.

Use óculos se forem prescritos pois é importante que a visão seja a melhor possível.

Faça exercícios especiais de equilíbrio em casa, o que fará o sistema de equilíbrio funcionar melhor e o processo de compensação acontecer mais rapidamente. Os exercícios devem ser feitos regularmente.

EXERCÍCIOS   DE   EQUILÍBRIO

1- Olhe para cima,  e então para baixo, o mais rápido que puder.

2- Olhe de um lado para o outro o mais rápido que puder.

3- Focalize seu dedo na extensão do braço, mova o dedo até de encostá-lo no seu nariz. Fique olhando para o seu dedo o tempo todo;

4- Incline sua cabeça para frente, daí para trás tão rápido quanto puder;

5- Gire sua cabeça de um lado para o outro tão rápido quanto puder;

6- Sentado numa cadeira, incline-se para frente e toque o chão. Volte a posição sentada;

7- Comece sentando numa cadeira, então levante-se. Retorne à posição sentada;

8- Deite-se no chão ou na cama. Gire sua cabeça da esquerda para a direita e volte;

9- Ainda deitado, gire todo o seu corpo para a direita, e então de volta para a esquerda;

10- Em  pé, pernas afastadas e conte até dez;

11- Em pé , pernas juntas e conte até dez;

12 -Pernas afastadas, erga seus dedos do pé do chão de modo a se apoiar nos calcanhares. Permaneça assim o quanto puder.  Repita, agora com os pés juntos;

13 - De pé, com um pé ante o outro, calcanhar junto ao dedão. Repita alternando com o  pé na frente;

14 - Tente erguer um pé do chão pelo tempo que agüentar.

Estes exercícios, com exceção do de movimento de olhos, devem ser feitos com os olhos abertos.

À medida que a tontura melhora, eles deverão ser feitos com os olhos fechados. 

Deve-se começar a fazer os exercícios por cerca de cinco vezes cada no início e daí , ir aumentando até vinte vezes cada. O ideal é  fazer os exercícios duas vezes ao dia.  Se tentar estes exercícios em casa poderá achar que no começo sente mais tontura e falta de equilíbrio – isto é muito normal, pois poderá estar fazendo coisas que anteriormente evitava.

Exatamente como quem começa a ir à academia e no começo o corpo dói mas a medida que se continua a ir e sente-se cada vez melhor.

*Fonte – Extrato da palestra dada por Kerry Stacey, Audiologlista  Sênior do The Royal Hallamshire Hospital, Sheffield e publicada no NF2 News –Verão  2003 - Neurofibromatosis Association – www.nfa.zetnet.co.uk      




Zumbidos

tinnitus

INFORMAÇÕES À FAMÍLIA SOBRE O ZUMBIDO

Aqui encontram-se algumas informações que podem ajudá-lo a entender o zumbido e dar apoio aos que sofrem deste mal.

O ZUMBIDO É UM PROBLEMA COMUM ?

Os zumbidos no ouvido são problemas comuns em pessoas que possuem neurinoma do acústico e podem piorar após o tratamento.

O zumbido é a percepção do som quando não há nenhum ruído presente. Apesar da sua ocorrência ser comum, a maioria das pessoas não o conhece pelo nome e é ainda mais difícil entender como o zumbido afeta aqueles que o possuem. Para alguns é apenas um incômodo; para outros é um estado estressante de alteração da qualidade de vida.

COMO É TER ZUMBIDO ?

A palavra "zumbido", freqüentemente descrita como "barulho nos ouvidos", varia sensivelmente de pessoa para pessoa. Algumas pessoas ouvem apitos ou chiados. Algumas ouvem um tom, enquanto outras ouvem tons variados. Aquelas que não têm zumbido podem ter uma idéia do que isso significa se imaginarem um sinal de transmissão de emergência que muitas vezes é ouvido no rádio ou TV fora de sintonia. As pessoas com zumbido, às vezes, ouvem sons similares a esse som 24 horas por dia.

COMO SE SENTE UMA PESSOA COM ZUMBIDO ?

No início da doença muitos ficam preocupados e talvez amedrontados, especialmente se eles nunca ouviram falar sobre zumbido ou conhecido alguém que o tivesse mencionado. Imagine ter que explicar que você está ouvindo algo que ninguém mais está. É natural preocupar-se que os outros possam pensar que você está imaginando coisas. Muitas pessoas se perguntam: Será que outras sofrem disto ? Como explicarei isto à minha família e amigos ? Será que entenderão ? Será que o zumbido desaparecerá ? E se piorar ? Perderei minha audição ? Como posso dormir com todo esse barulho ? Como posso trabalhar ? Outras pessoas se sentem assim ? Como é que lidam com isso ?

Essas questões podem ser especialmente perturbadoras quando o zumbido for recente. Geralmente, é bastante útil para o paciente que está sofrendo de tais aflições obter uma explicação efetiva de um profissional qualificado em audição, no caso, um médico otorrinolaringologista. Questões que lidam com pensamentos e aflições internas, por outro lado, poderiam ser melhor respondidas por alguém que sofre de zumbido, que já experimentou os mesmos tipos de sensações e aprendeu a lidar com elas.

O QUE CAUSA O ZUMBIDO ?

Até o momento, nem todas as causas do zumbido foram esclarecidas. Conhece-se os seguintes fatores que causam o zumbido ou podem piorá-lo se ele já existe: exposição ao barulho, acúmulo de cera nos ouvidos, certos medicamentos (aspirina, alguns antibióticos, etc), infecção nos ouvidos ou dos seios paranasais, alergias, problemas na articulação temporomandibular ou na oclusão dental, doenças cárdio-vasculares, tumor no nervo auditivo, otosclerose, "tireóide preguiçosa", traumatismo de cabeça e pescoço, etc.

ZUMBIDO PODE SER TRATADO?

Existem várias opções para o tratamento do zumbido que podem proporcionar alívio:

Terapia medicamentosa: muitos medicamentos foram testados no tratamento do zumbido. Os medicamentos atuais são usados primeiramente no auxílio à ansiedade, depressão e distúrbios do sono. O tratamento de tais sintomas pode indiretamente auxiliar no alívio do zumbido.

Amplificação (aparelhos auditivos): se um paciente tiver perda de audição e zumbido localizado nas freqüências médias ou baixas, um aparelho auditivo permitirá ouvir sons ambientais que podem mascarar o zumbido.

Mascaramento: os mascaradores de zumbido lembram aparelhos de audição e produzem um som agradável, que freqüentemente mascara o clamor do zumbido. Os mascaradores de zumbido podem ser ajustados a qualquer hora, fornecendo um elemento de controle de volume e tonalidade de banda de freqüência. Para aqueles que necessitam de ambos, aparelhos auditivos e mascaradores, uma combinação dos dois é uma opção. Após o uso diário, os mascaradores às vezes propiciam o auxílio extra da anulação do zumbido por períodos variados de tempo quando ele é desligado, um fenômeno chamado de inibição residual. Unidades de mascaradores de cabeceira (mascaradores ambientais) produzem sons para ajudar a pessoa a adormecer. Pode-se obter os efeitos dos mascaradores ligando-se um ventilador, rádio ou TV em volume baixo. Há fitas e CDs disponíveis que reproduzem sons ambientais, tais como chuva, cachoeira e ondas do mar; fitas cassete, sob encomenda, podem ser confeccionadas também (esse tipo de mascaramento ambiental não serve de previsão para o sucesso ou fracasso com mascaradores adaptados por profissionais).

Biofeedback: o tratamento através do biofeedback ensina como controlar as ações específicas do corpo, tais como a pressão arterial, batimento cardíaco e temperatura da pele. Também instrui como controlar o estresse, algo que é muito útil no convívio com o zumbido

Terapia cognitivo-comportamental: a maneira pela qual o paciente encara o zumbido afeta a habilidade de lidar com ele. Essa técnica, comumente usada em pessoas com dor crônica, ajuda-os a identificar e alterar pensamentos e comportamentos mal-adaptados.

Habituação auditiva: essa terapia dedica-se ao retreinamento do ouvido para ignorar ou habituar-se ao zumbido. Aparelhos terapêuticos de audição que emitem amplas faixas de ruídos - normalmente mais baixos que o zumbido - são usados para tentar aliviar o zumbido. O tratamento pode levar mais do que um ano.

Tenha em mente que o zumbido de cada pessoa responde de forma diferente às várias tentativas de tratamento. Portanto, é freqüentemente necessário tentar-se várias delas antes de encontrar-se a melhor terapia ou combinação de terapias. As pessoas não deveriam desanimar ou desistir simplesmente porque algo no passado não funcionou.

CERTAS COISAS PIORAM O ZUMBIDO ?

Sim! A forma pela qual o ouvido e o zumbido reagem a diferentes situações varia muito de pessoa a pessoa, mas todos nós devemos estar cientes do seguinte:

A exposição demasiada ao barulho pode causar ou piorar o zumbido e a perda de audição. É muito importante, especialmente para aqueles que já possuem o zumbido, evitar ou reduzir exposições maiores. Quando estiver em ambientes ruidosos ou prevendo sua existência, sempre carregue e use proteção adequada ao ouvido (protetores e tampões de ouvido). Lembre-se do perigo potencial do barulho proveniente de fontes como cortadores de grama, equipamentos de som, secadores de cabelo, serras elétricas, motocicletas, concertos musicais, filmes e ruídos no trabalho.

Certos medicamentos são ototóxicos - prejudicam os ouvidos - e podem piorar o zumbido. Conseqüentemente, as pessoas com zumbido devem relatar aos seus médicos sobre suas condições e também sobre quaisquer prescrições médicas antigas ou medicamentos que estejam tomando.

Álcool, nicotina e cafeína podem exacerbar o zumbido. Alguns pacientes relatam que o zumbido piora após o consumo de certos alimentos (queijo, sal e vinho tinto foram mencionados). A fim de se determinar se um certo alimento ou substância causa uma reação alérgica, aconselha-se que o alimento ou substância em questão seja evitada por um período de um mês e depois, lentamente reintroduzida à alimentação ou à rotina diária. Qualquer piora dos sintomas do zumbido deveria ser anotada após reintrodução para futura referência.

Estresse: o zumbido causa estresse; o estresse causa zumbido: pode ser um ciclo vicioso. Qualquer coisa que você possa fazer para reduzir o estresse o ajudará a romper o ciclo. Terapias de relaxamento como yoga, meditação e exercícios podem ser úteis.

COMO A FAMÍLIA PODE AJUDAR?

Tente colocar-se no lugar da pessoa, não apenas sendo simpático, mas também compreensivo. O zumbido pode distrair e perturbar bastante, afetando o humor, a habilidade de concentrar-se e o sono. Considere o zumbido um estado real - invisível para você, mas concreto para aqueles que dele sofrem.

Lembre-se que é geralmente difícil ouvir quando ele se manifesta e partes das conversas podem ser mal interpretadas ou perdidas. Seja paciente.

Informe-se ao máximo sobre o zumbido. Isso não apenas o ajudará a entender o problema, mas também mostrará à pessoa que sofre de zumbido que você se interessa em ajudá-la. Explique no que consiste o zumbido aos outros membros da família, amigos e colegas de trabalho para que eles possam entender e ajudar.

Aprenda a reconhecer e evitar algo que agrave o zumbido do membro de sua família. Respeite o fato de que as pessoas com zumbido devem evitar a exposição à música alta e seja compreensivo quando recusarem convites.

Trabalhe junto à sua comunidade para reduzir a exposição involuntária a sons altos. Alto-falantes ensurdecedores de automóveis ou caixas acústicas colocadas em lugares públicos deveriam ser proibidas (os jovens estão perdendo a audição gradativamente devido a essas e outras opções de exposição ao barulho excessivo). Minimize barulhos desnecessários em sua casa.

COMO EU POSSO APRENDER MAIS SOBRE ZUMBIDO E ENCONTRAR AJUDA ?

Envolva-se e incentive o envolvimento de seu familiar afetado pelo zumbido a participar de um grupo de auto-ajuda. Um grupo de apoio ao zumbido é um porto seguro para aliviar as preocupações e desenvolver habilidades de como lidar com elas, algo que beneficiará a todos. As pessoas que sofrem de zumbido e seus familiares propiciam o tipo de compreensão que só essa experiência compartilhada pode inspirar. Grupos de apoio, contatos telefônicos e amigos por correspondência são outros métodos que podem ajudar a conviver melhor com o zumbido.

ESTRESSE E ZUMBIDO

Com o zumbido, o corpo pode reagir como se estivesse constantemente ameaçado. Quando esta situação excede a capacidade de tolerância da pessoa, pode ocorrer estresse. Portanto, se a pessoa não está apta a tolerar o zumbido, torna-se difícil levar uma vida normal.

ESCALA DE GRAVIDADE DO ZUMBIDO

Pense em seu zumbido por um momento e avalie sua gravidade pela escala a seguir. Avaliar o zumbido não é tarefa fácil, mas estas descrições sobre o que cada número representa podem ajudá-lo:

0- O zumbido não está presente.

1- O zumbido está presente se eu prestar atenção, mas não é muito irritante e pode ser normalmente ignorado.

2- O zumbido é freqüentemente irritante, porém pode ser ignorado a maior parte do tempo.

3- É difícil ignorar o zumbido, mesmo com esforço.

4- O zumbido está sempre presente a um nível irritante e freqüentemente causa considerável sofrimento.

5- O zumbido é mais do que irritante, causando um problema angustiante por muito ou todo o tempo.

Se você classificou seu zumbido como 3 ou mais, você poderá ser ajudado melhorando suas habilidades em lidar com ele e reduzindo o estresse em sua vida. Talvez queira experimentar algumas das seguintes sugestões:

TERAPIAS ATUAIS PARA O CONTROLE DO ZUMBIDO

O zumbido é um sintoma clínico. Cada paciente deverá ser examinado por um otorrinolaringologista para eliminar qualquer problema clínico sério que possa estar associado ao zumbido.

Deve ser feita uma avaliação auditiva para determinar se a pessoa está com os processos de fala e discriminação dos sons íntegros. Estes testes podem revelar também se ele percebe níveis sonoros de forma normal e se os seus ouvidos estão funcionando como deveriam. Outros testes especializados podem ser aplicados para determinar a freqüência, intensidade e possibilidade de mascaramento do seu zumbido.

Baseado nessas informações o médico otorrinolaringologista pode recomendar-lhe vários tratamentos, entre eles, a adaptação de aparelhos auditivos para melhorar sua habilidade para ouvir, de mascaradores de zumbido para substituir o som que está ouvindo por um outro mais agradável do que o zumbido, ou ainda, de "instrumentos de zumbido", uma combinação de aparelho auditivo com mascarador que tem demonstrado ser útil a várias pessoas que necessitam assistência de ambas as aplicações.

Nem todos os zumbidos podem ser aliviados através desses aparelhos. Para estes casos, outras terapias podem ser úteis:

Habituação auditiva - é uma técnica nova desenvolvida para retreinar o sistema auditivo a ignorar os sons do zumbido. Aparelhos terapêuticos que emitem faixas largas de ruídos estáveis - geralmente mais baixos do que o zumbido do paciente - são usados nesse tratamento. O período recomendado pode durar mais de um ano.

Biofeedback - esse tipo de tratamento tem se tornado popular para o zumbido. É uma poderosa ferramenta de aprendizagem para ajudar as pessoas a se tornarem conscientes de suas funções orgânicas e a aprenderem a controlá-las. Esta terapia está geralmente associada ao aconselhamento e à redução do estresse, capacitando o indivíduo a entender o estresse e o relaxamento e a exercitar conscientemente o controle das suas reações orgânicas.

Terapia cognitiva - é mais baseada no tratamento da reação do indivíduo ao zumbido do que no próprio zumbido. Para se atingir as mudanças perceptíveis desejadas, devem ser identificados comportamentos negativos e padrões de pensamentos e, então, alterá-los sistematicamente através de um programa desenvolvido especialmente para o indivíduo.

Hipnose - para ajudar o paciente a entrar num rápido estado de aprendizagem levando sugestões ao subconsciente para alterar o comportamento. É importante manter o controle de suas reações ao zumbido através de sugestões positivas que podem ser colocadas em ação para a sua auto-ajuda.

Acupuntura - baseia-se no princípio de que a saúde depende do fluxo livre da "energia vital" através do corpo. O zumbido pode ser resultante de um distúrbio no fluxo. Normalmente este procedimento tem trazido algum alívio temporário para um número pequeno de pessoas.

Articulação têmporo-mandibular (ATM) - os especialistas relatam alívio para muitas pessoas que sofrem de ambos, ATM e zumbido. Se você puder alterar o som do zumbido movendo ou pressionando sua mandíbula, ou se ao ranger os seus dentes, sofre de dor no maxilar, ou se tiver problema em abrir muito a sua boca, provavelmente valeria a pena procurar um especialista em ATM.

Terapia à base de medicamentos - pode envolver o uso de vitaminas, vasodilatadores, tranqüilizantes, antidepressivos, anticonvulsivantes ou antivertiginosos. Nenhum desses medicamentos significa cura para o zumbido, mas pode fornecer alívio em vários casos. Alguns deles parecem causar zumbido e, portanto, deveriam ser usados cautelosamente. Planos de pesquisa futuras do National Institute on Deafness and Other Communication Disorders incluem o estudo de medicamentos para aliviar o zumbido. Temos de ter esperança de uma descoberta médica como resultado dessa pesquisa.

A receita para se conviver com o zumbido é ser capaz de desviá-lo da atenção imediata. Se você for capaz de imaginar o zumbido como um barulho repetitivo e insignificante, então é possível para o organismo se ajustar ou até mesmo ignorá-lo.

DICAS DE AUTO-AJUDA

As idéias a seguir foram sugeridas para ajudar a aliviar o estresse, tornando assim o zumbido mais tolerável.

Aprenda a relaxar - respirar fundo é um relaxante natural. Adquira o hábito de parar de vez em quando para respirar 3 ou 4 vezes profunda e lentamente. Melhor ainda, aprenda a respirar regularmente com o seu abdômen. Guie-se com a sua cintura enquanto você inspira.

Depois de ter praticado exercícios de respiração profunda por algum tempo, comece a prestar atenção em você mesmo: respiração superficial e pulso rápido frequentemente indicam ansiedade e estresse. Quando você perceber que está respirando rapidamente, vá de-va-gar!!

Exercícios simples podem ajudá-lo a relaxar. Estique todos os músculos por 5 segundos e então solte. Faça isso várias vezes ao dia e em breve você reconhecerá como se sentiria se não estivesse tenso. Muitos livros têm sido escritos sobre relaxamento: um clássico é You Must Relax (Você Precisa Relaxar) de Edmund Jacobson.

Use imagens mentais para ajudar a relaxar quando você estiver ocupado ou no trabalho. Com os olhos abertos, você pode se concentrar numa linda flor ou em outro objeto por alguns minutos. Empenhe-se em apreciá-los e não pensar em mais nada. Com os olhos fechados pense em algo agradável e envolvente, como estar deitado numa praia. Estes períodos curtos de descanso podem ser melhores do que uma soneca.

Exercite-se todos os dias: caminhe, corra, nade, jogue tênis, faça qualquer tipo de exercício que gostar. Exercitar-se fará com que você não só se sinta mais forte e apto a lidar com o zumbido, mas também é uma maneira excelente de colocar as tensões para fora (algumas pessoas referem que exercícios agravam o zumbido, mas às vezes apenas temporariamente).

Sorria! A alegria é contagiante. Contudo, não fique com medo de falar sobre o zumbido e deixar que sua família e amigos saibam que você tem um problema. Eles podem lhe surpreender ao mostrar consideração.

Tente não se concentrar nos aspectos desagradáveis e estressantes do zumbido. Não sinta que você tenha que lutar contra ele o tempo todo. Tente pensar nele como algo que você tem, como a cor dos seus cabelos, sua altura e seu tipo.

Aprenda mais sobre o zumbido. Quanto mais você souber sobre um problema, qualquer problema, mais se controla e menos se sente desamparado ao lidar com ele.

Barulho alto é inimigo do zumbido. Mesmo uma curta exposição ao barulho pode piorar o zumbido e deixar você tenso e irritado. Use proteção auditiva correta sempre que estiver num ambiente barulhento.

Conversar com outras pessoas que também sofrem com o zumbido pode ser de grande ajuda. Você deve conhecer algumas dicas novas de como conviver melhor com o zumbido. Participe de um grupo de auto-ajuda. Um grupo de apoio ao zumbido é um porto seguro para aliviar as preocupações e desenvolver habilidades para lidar com elas, algo que beneficiará a todos. As pessoas que sofrem de zumbido e seus familiares propiciam o tipo de compreensão que apenas esta experiência compartilhada pode inspirar. Grupos de apoio, contatos telefônicos e amigos por correspondência são outros métodos que podem ajudar a conviver melhor com o zumbido.

Se por causa do zumbido dormir for um problema, há várias coisas que você deveria tentar. Primeiramente, descanse e relaxe antes de ir para a cama. Algumas vezes é útil ler por algum tempo antes de dormir. O lugar e suas roupas de dormir devem ser confortáveis. Algumas pessoas se sentem bem quando fazem um lanche leve antes de dormir. Música suave, estática de FM, mascaradores de cabeceira ou sons agradáveis podem ser utilizados freqüentemente para ajudá-lo a adormecer. Mudar sua rotina de maneira que você vá para a cama em horários variados pode fazer diferença.

*Fonte - "Coping with the Stress of Tinnitus", publicado pela American Tinnitus Association, EUA
"Tinnitus Family Information", publicado pela American Tinnitus Association, EUA
Maria Helena Untura Caetano (Mestra em Fonoaudiologia pela Escola Paulista de Medicina)
Dra. Tanit Ganz Sanchez (Médica Assistente do Hospital das Clínicas e Doutoranda em Otorrinolaringologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo)
Dra. Roberta Ribeiro de Almeida (Doutoranda em Otorrinolaringologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo)
Dr. Ricardo Ferreira Bento (Professor Associado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo)
Dr. Aroldo Miniti (Professor Titular de Otorrinolaringologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Site : http://www.hcnet.usp.br/otorrino/familia.htm
Figuras : http://www.geocities.com/HotSprings/Villa/5449/zumbido.html




Dor de Cabeça

Anatomia e fisiologia do crânio

Para entendermos o grupo de dores de cabeça secundárias (as dores relacionadas ao neurinoma do acústico se enquadram nesta categoria), é preciso ter algumas noções básicas de anatomia e fisiologia do crânio e seus órgãos e estruturas internas.
Cobrindo o crânio está o couro cabeludo, que é repleto de vasos sangüíneos e possui, abaixo de si, entre os ossos do crânio e ele próprio, vários músculos e aponeuroses (membrana de constituição semelhante aos músculos). Tanto a parte mais externa dos ossos do crânio (chamada de periósteo) como estes músculos e aponeuroses que o cobrem, os próprios vasos sangüíneos e o couro cabeludo, podem ser afetados por várias situações que provocarão dor de cabeça. Do crânio para dentro, há o cérebro, as membranas que o cobrem, chamadas de meninges, vasos sangüíneos dentro e em volta (abaixo e acima) do cérebro, sangue e o líquido que envolve todo o cérebro, chamado de líquor ou líquido céfalo-raquidiano. Logo, quaisquer situações que provoquem alterações em alguma destas estruturas podem levar à dor de cabeça

Dores de cabeça causadas pelo aumento da pressão intracraniana


As dores de cabeça causadas por TUMORES CEREBRAIS são relativamente raras, principalmente antes da terceira idade.

As dores de cabeça causadas pelo neurinoma do acústico constituem um dos vários tipos de dor causada pelo aumento da pressão dentro do crânio. Então, é importante se entender que, por ser um continente fechado, o crânio tem um "conteúdo" que não pode variar em tamanho ou quantidade. Se isso ocorrer, acarretará um aumento de pressão que irá comprimir ou pressionar áreas do próprio cérebro. Essa compressão trará, entre outras manifestações mais graves, dor de cabeça.

Em geral, mas não obrigatoriamente, a dor de cabeça de um neurinoma do acústico é localizada mais de um lado ou só de um lado, sobre a área do tumor, sendo mais intensa pela manhã, de evolução mais recente, piorando com movimentos da cabeça, e vai progressivamente aumentando em intensidade ao longo do tempo, até tornar-se contínua.

Outras doenças que também elevam a pressão dentro do crânio são os ABSCESSOS CEREBRAIS, causados geralmente após um processo infeccioso do cérebro, os HEMATOMAS CEREBRAIS, que são coleções de sangue, também chamados de coágulos, o ALARGAMENTO DOS VENTRÍCULOS CEREBRAIS, que são as cavidades que existem dentro do cérebro cheias de líquor. Estas cavidades podem se alargar se há uma maior produção de líquor e/ou uma dificuldade à sua circulação ou drenagem por algum obstáculo físico.

Dores de cabeça após punção lombar

Após a realização de uma punção lombar, que é a retirada de líquor da espinha geralmente utiliza-se esta técnica quando ocorre o vasamento do liquor posterior a cirurgia para remoção do neurinoma do acústico., pode haver uma dor de cabeça intensa toda vez que o paciente senta-se ou se levanta.

Essa dor parece ser relacionada à tração de estruturas da base do cérebro, causada por pressão negativa em função da perda do líquor com a punção, que se manifesta quando se assume a posição sentada ou de pé.

Esta dor de cabeça pode ceder com o repouso no leito por horas ou dias, e raramente requer medidas mais radicais, como a introdução de uma "tampa ou rolha" feita pelo próprio sangue do paciente, no local da introdução da agulha de punção.


*Fonte - Dr Abouch Valenty Krymchantowski
Centro de Avaliação e Tratamento da Dor de Cabeça do Rio de Janeiro
 Site: www.dordecabeca.com.br




Resolução mínima de 800x600 - Solução: CHROMAWEB

Ultima Atualização: 09 de Dezembro de 2004 as 10:00 horas
©2001 Bruno Rebouças Tamassia. Todos direitos reservados.
Site pessoal mantido sem recursos de patrocinadores

Atenção: Todas as informações que você encontra em www.neurinoma.com.br  têm como objetivo manter o usuário bem informado, mas de nenhuma maneira devem substituir as recomendações médicas. Você não poderá usar esta informação para fazer diagnósticos ou conduzir o tratamento de uma doença ou qualquer questão de saúde sem consultar antes um médico. Procure seu médico se tiver qualquer dúvida ou preocupação sobre seu estado de saúde. O uso de qualquer tipo de informação oferecido neste site está sujeito aos termos descritos acima. 

 

 

NEURINOMA DO ACÚSTICO

NEURINOMA E SEU CORPO
.
.